O espectáculo de magia

Sempre me senti intrigado com aquelas máquinas de contar notas que existem nos bancos. Não percebo como é que é possível aquilo funcionar mesmo. Uma pessoa mete para lá 10.250 euros em notas de 10, 20, 50, 100 e 500 euros, só para confundir, e a máquina em escassos segundos está a confirmar o valor.

Tem que haver algum truque por detrás daquelas máquinas e eu acho que já descobri qual é. A máquina de facto não sabe contar. Tudo aquilo é encenação para impressionar o cliente. Na verdade o que acontece é que as máquinas têm um sistema de reconhecimento de voz e quando o cliente diz “Vinha depositar estes 500 euros” a máquina regista o “500 euros” e é esse valor que gloriosamente mostra no fim.

No fundo é como um espectáculo de magia, que todos sabemos que tem algum truque, mas não deixamos de ficar boquiabertos e mostrar o nosso espanto perante o desfecho. “Mas como é que ele fez aquilo?”, perguntamos.

Pois bem caro leitor, da próxima vez que for ao banco depositar 500 euros experimente dizer “Vinha depositar estes 1000 euros” e vai ver o que acontece!

Descontinho


Ontem fui à farmácia e estava lá uma senhora com duas amigas a experimentar óculos de sol (na verdade não era bem uma senhora, mas também não era uma rapariga; andaria na casa dos 35 ou por aí…chamemos-lhe simplesmente “a cliente”). Dizia ela que já tinha comprado ali uns óculos no ano passado, mas que os tinha partido e precisava de uns novos. Experimentou uns, olhou para o espelho, pediu a aprovação das amigas e lá se decidiu a perguntar o preço. A farmacêutica disse que ia verificar o preço e lá lhe comunicou que os ditos óculos custavam 23 euros.

Eu sei que estamos em crise e sei bem que há muitas pessoas com dificuldades financeiras neste país, mas na minha perspectiva 23 euros por uns óculos de sol não é propriamente muito dinheiro, tendo em conta que uns bons óculos de sol custam para cima de 150 euros e além disso estes até tinham bom aspecto. Bom, mas a cliente pelos vistos não partilha da minha opinião e perguntou o seguinte: “O preço é fixo?”, ao que a farmacêutica respondeu afirmativamente. Então a cliente, não satisfeita, continuou: “Não há um descontinho? Eu já comprei uns óculos aqui no ano passado…”.

Confesso que admiro o à vontade destas pessoas. Regatear o preço de uns óculos de sol na farmácia como se estivesse a comprar nos ciganos? Bolas, é preciso ter muita lata. Nunca tal coisa me passaria pela cabeça. Estou mesmo a imaginar essa mesma cliente a comprar medicamentos e a dizer: “Não me faz um descontinho no Ben-ur-on? Já comprei uma caixa aqui no mês passado, ainda por cima era das grandes. E o Brufen está caríssimo, ou bem que me baixa o preço ou vou comprar ali ao lado!”.

Imaginem agora se as pessoas se lembravam de pedir desconto em tudo o que era sítio, por exemplo nos correios. “Olhe desculpe, mas eu a semana passada enviei duas cartas registadas com aviso de recepção portanto agora devia-me fazer um desconto neste envio.”. Havia de ser bonito.

Escusado será dizer que a farmacêutica não lhe fez desconto nos óculos de sol.